Finalmente a edição 2018 da Brasil Game Show abriu as portas, e nós não poderíamos ficar de fora dessa. Nossa equipe conseguiu testar alguns jogos à disposição na feira, e contamos nossas impressões para vocês:

Sekiro: Shadows Die Twice

Presente em dois stands diferentes (Sony e Activision), o novo game da From Software, developer famosa pela série Souls e Bloodborne, definitivamente é um dos games mais concorridos dessa BGS. O trecho demonstrativo parece ter sido escolhido com sabedoria, uma vez que é focado, principalmente, nas diferentes mecânicas do combate. Com fortes indicativos para se tornar uma das melhores características do título, o combate é robusto e apresenta uma enorme liberdade, dando a impressão que cada jogador, ao longo do jogo, possa adaptar o que tem em mãos e assim encontrar o seu próprio estilo de gameplay, tornando cada jornada única.

A demo também é marcada pela sua dificuldade, não sendo raro encontrar pessoas largando na metade, pela frustração das mortes constantes. O que, claro, é mais um benefício do que um defeito — afinal, ninguém espera que um título da From Software segure na sua mão. O desafio faz parte e o jogador precisa lembrar disso antes de encarar o game. A demo traz uma variedade de inimigos, desde os mais comuns até os mais fortes, e incentiva o jogador a experimentar praticamente tudo que ele tem disponível: as técnicas de stealth, as diferentes formas de abordar e finalizar um inimigo, os parries, a possibilidade de se movimentar pelo cenário utilizando o grappling hook, fazer a troca entre as diferentes armas, etc. Poder experimentar e conhecer as mecânicas de stun também foi bem interessante. Aqui, cada inimigo tem a sua barra individual de stun e, quando o jogador consegue enchê-la, o inimigo fica atordoado e é possível finalizá-lo.

Vale a pena elencar também os visuais do jogo, que estão bem bonitos, especialmente para um jogo multiplataforma. A área da demo era marcada por estruturas de pedra, neve e um belo pôr do sol, compostos por ótimas texturas e iluminação. A riqueza de detalhes e quantidade de objetos no cenário, além de caminhos nada lineares, mostram que está havendo um carinho e cuidado bastante especial no desenvolvimento do título. Valendo cada segundo em pé nas nada animadoras filas, esta é definitivamente uma demo que faz um ótimo uso do que o jogo tem a oferecer e capaz de deixar qualquer um animado para o que vem pela frente. Sem grandes defeitos, poder colocar as mãos em Sekiro: Shadows Die Twice apenas solidificou o potencial deste ser um dos melhores lançamentos do próximo ano. [Carol Reis]

Ori and the Will of the Wisps

Devo admitir que, apesar de ter muita vontade, nunca joguei o primeiro Ori por não ter uma máquina ou console compatível com o jogo. No entanto, sempre me interessei bastante pelo título e fiquei bem ansiosa em poder jogar, mesmo que seja um trecho curtinho, dessa sequência. Essa demo definitivamente foi uma das mais interessantes das presentes na BGS, por permitir que o jogador pudesse experienciar uma parte não apenas longa, mas também relevante do jogo. Não era uma fase muito inicial, ou seja, sem excesso de tutoriais e pouco gameplay, mas também não muito avançada. Tudo na medida certa e perfeita para dar um gostinho do que vem pela frente.

A demo, idêntica a apresentada na E3, coloca o jogador no controle do espírito guardião Ori em uma área montanhosa e deserta chamada Windsweep Wastes. Nela, você tem liberdade para explorar o cenário e experimentar com algumas das habilidades do protagonista, como o grapple, o dash e poder mergulhar nas areias, enquanto completa pequenos objetivos para alguns NPCs e derrota inimigos pelo caminho. É um gameplay bastante dinâmico e divertido, no meio de uma ambientação visualmente marcada por uma direção de arte fantástica.

O grande problema da demo, no entanto, foram as constantes quedas de framerate presentes, suficientes para atrapalharem a fluidez da movimentação ágil e desembaraçada do protagonista, movimentação essa que é um dos pontos mais altos do jogo. Ainda assim, mesmo para quem nunca jogou o game anterior, Ori and the Will of the Wisps mostrou promessa e definitivamente deixa um pouco de ansiedade e curiosidade para a versão completa e final do jogo, marcando uma das melhores demonstrações do evento. [Carol Reis]

DAYS GONE

Um dos jogos mais comentados nas últimas edições da E3, Days Gone finalmente está disponível para teste na estande da Playstation. O game de zumbis da Bendi Studio chamou atenção desde o seu anúncio por mostrar gráficos lindos em seus trailers, e também pela jogabilidade cheia de ação e tensão, que coloca os jogadores em situações desesperadoras.

Para quem vem acompanhando as notícias relacionadas ao jogo, a demo de aproximadamente 10 minutos e duas partes disponível na BGS não surpreende e apresenta o mesmo gameplay divulgado oficialmente há alguns meses — você pode conferir a primeira parte aqui — no qual devemos vasculhar uma área abandonada e infestada de freakers em busca de peças específicas. Pela demo podemos ter uma noção de como o jogo funciona em diversos aspectos, como no combate, no stealth e na parte de craft. Existem diferentes tipos de abordagem, cabendo à cada jogador determinar a que melhor se encaixa em seu próprio estilo de jogo. Também temos uma ideia de como o universo do game funciona observando os monstros reagindo aos barulhos e à presença humana.

Apesar de imersivo e divertido, o problema da demo — mesmo em sua segunda parte que consiste em enfrentar uma horda de zumbis — é que ela falha na hora de vender o jogo. O que não falta na indústria são games com temática pós-apocalíptica zumbi, e tanto este tema quanto a jogabilidade de Days Gone não apresentam nada de novo em sua demo. Eu gostaria de ter visto o seu diferencial em relação a outros games com a mesma temática, que pode estar justamente na história do jogo e em seus personagens. Até o lançamento do jogo no dia 22 de fevereiro de 2019, muitos gameplays e materiais novos devem surgir e talvez me façam mudar de ideia. Mas, por enquanto, não é um jogo que faço questão de garantir no lançamento. [Dyego Seminario]