A evolução de Sense8 como ficção

Segunda temporada equilibra melhor o desenvolvimento dos personagens e da história
por: 11 de Maio de 2017
0 Flares Facebook 0 Twitter 0 0 Flares ×

Desde que estreou em 2015, Sense8 é uma das séries mais populares e queridas da atualidade.

A expectativa em torno do seriado era muito alta desde o seu anúncio, já que se trata de um projeto das irmãs Wachowski. Afinal, apesar dos trabalhos mais recentes da dupla não terem agradado crítica e público (como Cloud Atlas [A Viagem], Speed Racer e O Destino de Júpiter), ainda estamos falando das responsáveis por Matrix — e tudo bem que no pacote vieram as sequências questionáveis, mas vamos ignorar essa parte.

O fato é que Sense8 correspondeu a expectativa e hoje é apontada como o melhor trabalho de Lana e Andy Wachowski desde o longa estrelado por Keanu Reeves. Um dos motivos para esse sucesso se deve ao fato de que, apesar de ter um tanto de ficção científica, o grande foco da série está em seu lado mais humano. E, justamente por isso, nem todo mundo gostou do ritmo da história na primeira temporada.

Em partes eu entendo quem pensa assim, porque a trama principal realmente não foi muito desenvolvida na temporada de estreia. Contudo, não concordo que seja um ponto negativo do seriado.

Explico: como você já deve saber, a trama de Sense8 tem oito protagonistas com personalidades completamente diferentes que estão conectados mentalmente entre si. A série tem um plot principal rolando, mas cada personagem tem sua própria história acontecendo ao mesmo tempo das dos demais.

Empatia é a melhor palavra para definir a série.

Com temas tão sérios e delicados, como machismo, homofobia e racismo, era necessário que o público se importasse de verdade com os personagens que dão voz para esses tipos de problemas que transcendem as telas e que representam boa parte desse público.

Por isso, é completamente natural que a temporada inicial de um show com tantos personagens e que se propõe a abordar diversos temas importantes nos dias de hoje foque justamente na construção de cada protagonista.

No fim, a estratégia deu muito certo. Os fãs são completamente alucinados pelo elenco, e se não fosse por isso, a série da Netflix provavelmente não teria se tornado o sucesso que é hoje. Inclusive, a vinda deles para a Parada do Orgulho LGBT em São Paulo é uma boa prova disso.

As atrizes e os atores da série em SP para gravação: será que o povo ama esse elenco? =P

As Wachowski se preocuparam em criar uma base sólida com os personagens para mergulhar de vez na trama central nas temporadas seguintes.

E é exatamente isso o que o segundo ano do seriado faz: se aprofunda na mitologia do universo de Sense8 enquanto continua o desenvolvimento de seus personagens. Agora temos uma ideia melhor de quem é o vilão Sussurros, por exemplo, e o que é e como funciona a OPB, a organização para qual ele trabalha e que está caçando os personagens principais.

Além disso, é revelado um pouco mais do passado da misteriosa Angelica e também sobre a raça dos homo sensorium, que existe a mais tempo do que imaginávamos — e em maior quantidade também, como prova a introdução de novos personagens e outros grupos de sensates.

O jogo de gato e rato entre Will e Sussurros é um dos destaques da temporada.

É claro que, como uma boa ficção, Sense8 levanta mais questões em seu novo ano do que responde as que surgiram na temporada de estreia.

No entanto, ela entrega o necessário para que os fãs sintam que a história está sim caminhando para algum lugar e que a mitologia do seriado está em constante expansão. Isso, é claro, sem deixar de lado a construção contínua de seus protagonistas, que são o ponto mais forte e o grande diferencial da série.

Ao final da segunda temporada, fica claro que Sense8 sabe bem o que fazer (e como fazer) para se manter cada vez mais relevante para o seu público.

  • Vitor Hugo

    Adorei seu texto! Parabéns. Empatia é a palavra para essa série.

    • Dyego Seminario

      Obrigado, Vitor! Séries como Sense8 são muito importantes pra realidade doida que a gente vive, né? Espero que vc curta o site 😉 Abs!