Mantendo um nível de qualidade absurdo e com episódios ainda mais criativos do que nas temporadas anteriores, o quinto ano de BoJack Horseman nos apresenta o maior drama vivido pelo cavalo mais cínico e desgraçado de Hollywood até agora: o fundo do poço.

Todd (Aaron Paul) disse para BoJack (Will Arnett) na terceira temporada que “todas as coisas que estão erradas com você, não é o álcool ou as drogas ou nenhuma das coisas que aconteceram com você na sua carreira… é você!”. Faz tempo que sabemos que BoJack sempre comete uma sucessão de erros graves e que prejudica as pessoas que são importantes em suas vida, agindo como um déspota dissimulado quando lhe convém e sempre pensando em si mesmo.

Mas, até onde isso pode continuar?

[AVISO: esse post pode conter spoilers]

Agora como protagonista de uma série de TV na qual interpreta o detetive Philbert, BoJack parece interpretar a si mesmo, abraçado sua síndrome de grandeza regada a álcool e cigarro. Em constante conflito com o diretor e escritor da série Flip (com participação especial de Rami Malik), BoJack pela primeira vez em sua carreira é colocado em uma situação na qual é necessário respeitar a hierarquia, demonstrar fragilidade em prol de seu papel, e também aceitar que não é a principal estrela da série, dividindo os holofotes com a atriz Gina (participação especial de Stephanie Beatriz), o seu novo affair.

Todos os amigos de BoJack tem um episódio dedicado à eles nessa temporada. Diane (Alison Brie), por exemplo, está destruída. Completamente infeliz com suas ultimas decisões e o recém divorcio, ela — que sempre foi um dos pilares de razão e do bom senso para outros personagens da série — viaja para o Vietnã em busca de refúgio da sua vida de Los Angeles e também de si mesma. Enquanto isso, Todd enfrenta problemas em seu relacionamento por sua negligência consigo mesmo e também pela falta de qualquer perspectiva de um futuro melhor.

Já Mr. Peanutbutter (Paul F. Tompkins) começa um novo envolvimento amoroso e passa a olhar para o seu passado tentando entender o que deu errado em seus relacionamentos anteriores, que acabaram exatamente da mesma forma. E Princess Carolyn (Amy Sedaris) decide que quer adotar um bebê para tentar construir sua família. No entanto, tudo ao seu redor parece ser um sinal de que a sua vida pode não permitir que essa adoção aconteça.

Acredite: essa cena é tão maravilhosa quanto confusa

A nova temporada segue a fórmula de abordar temas relevantes que ocorrem no mundo real. Em BoJack the Feminist, o ator Vance Waggoner (participação especial de Bobby Cannavale) é o típico homem branco famoso de Hollywood que comete as mais diversas atrocidades com mulheres e, mesmo assim, trabalha na série Philbert. Posteriormente ele é indicado à premiação We Forgive You, uma espécie de perdão geral em forma de prêmio, como se tudo tivesse sido deixado para trás e, com isso, ganha um passe livre para voltar a atuar em Hollywood. Durante esse processo, BoJack se mostra contra o perdão de Vance e posteriormente se intitula como feminista para se aproveitar do movimento para promover seu papel na série e se livrar de rival. O episódio inteiro é uma crítica dura de como Hollywood trata seus agressores famosos e como movimentos como Me Too são, infelizmente, facilmente deturpados e apagados.

Já em Free Churro, BoJack vive mais um dos clássicos monólogos do seriado: o velório de sua mãe. O protagonista sempre apontou sua criação como um dos motivos por ser quem é, e que a falta de aceitação e amor vindo de seus pais foram os pontos-chave para sua fragilidade emocional, seus vícios e seus comportamentos. Durante todo o episódio acompanhamos seu conflito interno onde, ao mesmo tempo em que ele desabafa sobre como era tratado como um lixo, também consegue se enxergar em diversas situações pelas quais sua mãe também passou —  e entre tantas críticas, fica muito claro que em muitos desses momentos ele também está falando sobre si mesmo e suas atitudes com as outras pessoas.

Entre tantas situações não programadas — como sempre ocorre em toda produção sendo filmada dentro da série — BoJack se envolve em um acidente grave e acaba se ferindo. Em função do tratamento e da recuperação, ele começa a tomar anestésicos que, misturados com bebida, lhe causam alucinações e o levam ao vício. Essa combinação se torna a essência da nova temporada: BoJack se afunda de vez em sua própria tragédia, perde tudo — inclusive sua sanidade —  e não tem outra opção senão enfrentar a si mesmo.

Gina cantando em uma das alucinações de BoJack

A quinta temporada de BoJack Horseman é uma abordagem corajosa sobre o vício que é feita de uma maneira com a qual não estamos acostumados a ver na televisão e no entretenimento em geral. É uma visualização bem forte de como as pessoas nestas condições acabam completamente destruídas devido aos seus distúrbios — tanto por dentro, quanto por fora — e de como elas precisam de ajuda.

A cada temporada, o seriado deixa ainda mais claro que deixou de ser apenas uma comédia para virar um drama de respeito.  Chega a ser difícil acreditar que uma série animada sobre um cavalo que é ator de Hollywood consegue se comunicar tão bem e falar de uma maneira tão complexa e profunda sobre a humanidade.

Mas pode acreditar: BoJack consegue.