O retorno triunfal dos Caçadores de Aventuras

Novo DuckTales tem potencial para agradar os fãs antigos e conquistar a nova geração
por: 19 de agosto de 2017
0 Flares Facebook 0 Twitter 0 0 Flares ×

Está cada dia mais comum vermos obras famosas da TV e do cinema voltando à ativa.

A Nickelodeon, por exemplo, anunciou recentemente o retorno de A Vida Moderna de Rocko. Já o Cartoon Network trouxe de volta As Meninas Superpoderosas e Samurai Jack, famosos nos anos 90 e 2000. A Netflix ressuscitou Twin Peaks e Full House, e a FOX apostou nos retornos de Arquivo X, Prison Break e 24H para tentar alavancar sua audiência.

E a Disney, que não é boba nem nada, decidiu embarcar nessa onda de revivals e trouxe DuckTales — o famoso desenho que contava as aventuras do Tio Patinhas e seus sobrinhos-netos Huguinho, Zezinho e Luisinho — de volta às nossas vidas.

Se você é fã dos Caçadores de Aventura, tenho uma notícia boa: o novo DuckTales é divertido e lindo demais!

Eu fiquei surpreso com o quanto gostei da nova versão.

Assistir ao desenho é como ver um quadrinho sendo folheado (dá pra perceber pela nova abertura no vídeo acima). Inclusive, os cenários extremamente detalhados com traços e cores fortes lembram bastante os quadrinhos Disney ilustrados por artistas italianos, como Giorgio Cavazzano.

Os traços do novo DuckTales parecem as páginas de um quadrinho.

Mas o revival não é apenas um rostinho bonito. Os personagens, por exemplo, são muito bem construídos: o Tio Patinhas de David Tennant é ranzinza na medida certa, sem soar irritante, enquanto o Pato Donald de Tony Anselmo lembra o personagem em seus melhores anos, com sua característica irritação e comédia física — nos minutos iniciais já estava rindo alto com ele apanhando da tábua de passar roupa.

Contudo, são as crianças que chamam atenção. Apesar da equipe repetir a formação original com Patricia (neta da Madame Patilda, governanta da mansão do Tio Patinhas) e os famosos sobrinhos do Donald, existe um detalhe aqui que é o responsável por nos mostrar a maior evolução do novo desenho em relação ao material original, e que provavelmente será o grande atrativo para o público mais jovem: personagens com muito mais personalidade, assim como o Patinhas e o Donald.

A equipe dos Caçadores de Aventuras é igual a do original, mas agora com mais personalidade.

A sensação que tinha ao ver Huguinho, Zezinho e Luisinho em materiais antigos — não só nos desenhos, mas também nos quadrinhos — era a de que os três pareciam ser uma pessoa só, e que apenas as cores das camisas e dos bonés os diferenciavam. Até mesmo as vozes eram feitas pela mesma atriz, Russi Taylor. Já Patricia era uma personagem estereotipada; a pequena e meiga donzela a ser salva.

No novo DuckTales isso não se repete. Só pelo primeiro episódio já é possível perceber que cada criança tem sua própria personalidade, e o trabalho dos dubladores tem um papel fundamental na construção desses personagens.

Patricia (Kate Micucci) foi a que mais mudou em relação à sua versão do final dos anos 80, e essa foi a melhor decisão que os responsáveis pelo revival tomaram. Agora, a garota tem uma personalidade forte, é super inteligente, e quando a situação fica feia é a primeira a ser vista dando conta sozinha de Gabby McStabberson, a inédita antagonista — que é uma fucking ninja!

Quanto aos meninos, Zezinho (Ben Schwartz) teve um destaque maior do que seus irmãos na segunda parte do episódio de estreia, e tudo leva a crer que ele é o que mais se aproxima de ser um “líder” para o trio, enquanto Luisinho (Bobby Maynihan) demonstra em muitas ocasiões ser o mais inteligente. Já Huguinho (Danny Pudi) parece ter uma personalidade mais ingênua em relação aos outros três — do nível de achar que procurar pela cidade perdida de Atlantis à bordo de um submarino pode ser considerada uma viagem em família, com direito a camisas combinando.

As crianças melhoraram 100% em relação ao desenho original!

DuckTales voltou da melhor maneira possível. O revival não só consegue manter a essência do desenho original para agradar os antigos fãs, como também faz adaptações necessárias para conquistar o público da nova geração.

O desenho tem ação, diálogos dinâmicos, engraçados e inteligentes, personagens bem construídos e até referências/homenagens à Carl Barks, o criador do Tio Patinhas.

Nem sempre é uma boa ideia reviver um clássico, mas DuckTales foi um tremendo acerto.