Supergirl voltou para sua segunda temporada cheia de novidades. A primeira delas, fora das telas, é sua nova casa. Antes um projeto da CBS, agora a heroína alça voo na The CW, lar de The Flash, Arrow e Legends of Tomorrow.

A segunda grande novidade é que, diferente do que vimos na primeira temporada, agora temos um rosto para associar a Clark Kent, o Superman: Tyler Hoechlin, ator que ficou conhecido na TV por seu papel em Teen Wolf.

Confesso que, a princípio, não havia gostado dessa decisão, mesmo já imaginando que a estreia do herói na série da sua prima aconteceria em um futuro próximo. Isso porque o piloto confirmou de cara que o Super-Homem existe no universo do seriado. Então, se a ideia é que o show dure muitos anos, quanto tempo demoraria para que as desculpas para a ausência do herói soassem fracas e estúpidas? Provavelmente pouco.

Não daria para esconder o Superman por muito tempo, né?

Não daria para esconder o Superman por muito tempo, né?

O motivo do meu receio quanto a adição do Super na trama é que, embora a ausência do Homem de Aço no primeiro ano tenha sido uma decisão da Warner — para não causar conflito com o universo DC do cinema (RISOS) —, isso acabou beneficiando a protagonista da história, que construiu seu público por conta própria.

Meu medo era que o novo Superman da TV roubasse a cena. Será que os produtores fariam a besteira de dar mais tempo de tela para o novato? Será que a heroína corre o risco de perder o protagonismo em sua própria série?

Se você compartilha desse medo, pode ficar feliz, porque Supergirl ainda é sobre Kara Denvers. (eu ouvi um AMÉM?)

O Superman chegou, mas a série ainda é dela!

O Superman chegou, mas a série ainda é dela!

Antes de mais nada, preciso comentar sobre o Homem de Aço em si.

Quando Tyler foi anunciado para o papel, torci um pouco o nariz. Por dois motivos: primeiro, porque acompanho Teen Wolf  e, para não soar grosso, digamos que ele nunca foi um primor na arte de atuar. Segundo, porque na primeira foto do ator já caracterizado (a capa deste texto), ele não parecia ter uma “cara de Super-Homem”. (Na verdade, para mim estava mais para Homem-Borracha do que Homem de Aço.)

E não é que o cara calou a minha boca? Não que ele tenha dado uma aula de atuação no episódio de estreia (e vamos combinar que nem é preciso um ator “oscarizado” para interpretar o personagem), mas a caracterização ficou muito boa. O Clark Kent de Tyler é aquele clássico desajeitado, que se disfarça entre os humanos para não chamar atenção; já seu Superman é aquele poço de otimismo que transparece bondade com apenas um olhar ou um sorriso. Completamente diferente da versão das telonas do Henry Cavill.

Não, isso não é uma crítica ao herói dos filmes. O novo Kal-El da TV não é melhor ou pior que o do cinema atual, apenas diferente. É uma outra proposta, mas que, inevitavelmente, aproxima mais o personagem daquele Super-Homem que todos conhecem: um símbolo de esperança para todos — um status quo que a versão do Snyder talvez alcance no filme da Liga.

Esse Superman já é um símbolo de esperança para todos dentro do universo da série, incluindo para a Supergirl

Esse Superman já é um símbolo de esperança para todos dentro do universo da série, incluindo para a Supergirl

Em The Adventures of Supergirl, episódio de estreia da segunda temporada, os kryptonianos trabalham juntos e a heroína tem o maior destaque, seja ele mais direto — como consertar a coluna de um prédio para impedir sua queda — ou de uma maneira mais sutil — como ela chegar mais rápido do que o primo no local dos incidentes.

Os produtores encaixaram o Super-Homem no seriado da melhor forma possível: ajudando Kara a compreender coisas que ela só não compreende no momento devido à falta de experiência. Ele não chegou com sua própria trama e seus dramas; também não chegou para fazer algo que a protagonista não consegue, ou então salvá-la como se ela fosse uma donzela em perigo; ele veio para ajudar a personagem a crescer ainda mais e fazê-la entender que ser a Kara é tão importante quanto ser a Supergirl.

No fim das contas, o novo Superman da TV é bem legal, e vê-lo em ação ao lado de Kara é muito bacana. No entanto, mais legal ainda é saber que os produtores sabem exatamente o lugar que o herói deve ocupar e que o título de grande estrela e símbolo de esperança de National City já é da Supergirl.